Para a manutenção da segurança em um canteiro de obras, algumas recomendações devem ser seguidas.

1. Instalações Elétricas:

– O quadro de força principal, a distribuição, os comandos e as tomadas devem ter proteção contra intempéries;

– A fiação elétrica aterrada deve ter proteção de placas de concreto ou eletrodutos, ser sinalizada e mantida a uma distância mínima das escavações de 1,50m;

– O fusível, a chave e o disjuntor devem ser compatíveis com o circuito. Nunca substitua por dispositivo improvisado ou por fusível de capacidade superior sem a devida troca de fiação;

– Usar o conjunto plugue e tomada para ligar máquinas e equipamentos elétricos móveis;

– Somente os profissionais qualificados devem realizar atividades com eletricidade, sendo sempre supervisionados pro profissional habilitado.

2. Organização e Limpeza:

O canteiro de obras organizado propicia a melhoria dos trabalhos, a redução das distâncias entre estocagem e emprego do material e reduz os fatores de riscos de acidentes. Para que isso aconteça deve-se:

– Manter materiais armazenados em locais pré-estabelecidos, demarcados e cobertos, quando necessário;

– Desobstruir as vias de circulação, passagem e escadarias;

– Coletar e remover regularmente entulhos e sobras de material, inclusive das plataformas;

– Utilizar equipamentos mecânicos ou calhas fechadas para remover entulhos em diferentes níveis;

– Utilizar capacete, máscara descartável, luvas e calçado de segurança para remover entulhos, sobra de materiais e limpeza dos canteiros;

– Evitar a poeira excessiva durante a remoção.

3. Almoxarifado:

– Deve estar em um local que facilite a recepção dos materiais e a distribuição pelo canteiro;

– Deve ser mantido limpo, organizado e identificado para que não prejudique o trânsito de pessoas, a circulação de materiais e o acesso aos equipamentos de combate a incêndios;

– Manter os materiais com facilidade de acesso e manuseio;

– Separar e identificar (por compatibilidade química) os materiais tóxicos, corrosivos, inflamáveis e explosivos. Armazenar em local isolado e identificado.

4. Escavações de valas e poços:

– Fazer a identificação prévia de galerias, canalizações e cabos elétricos e com dos eventuais riscos por emanações de gases;

– Inspecionar diariamente o escoramento do talude;

– Delimitar as áreas de escavações com fitas zebradas e cavaletes, proibindo o tráfego de veículos;

– Quando houver trânsito sobre a escavação, instalar passarelas de largura mínima de 0,60m protegidas por guarda-corpos;

– Depositar os materiais retirados da escavação em distância superior à metade da profundidade medida a partir da borda do tubulão;

– Viabilizar ventilação mecânica, com ar filtrado, no local da escavação;

– Na interrupção do serviço, manter cobertos os tubulões, com material resistente;

– Tornar obrigatório o uso de cinturão de segurança, dupla trava de segurança no sarilho e cabo de fibra sintética para içamento do trabalhador, em caso de emergência;

– Instalar escadas ou rampas para abandono rápido do local;

– Promover revezamento de atividades entre os poceiros a cada hora trabalhada;

– Elaborar procedimento para resgate, disponibilizar equipamentos e ministrar treinamento para todos os envolvidos, com simulação de emergência.

5. Concretagem

– Verificar previamente, na operação do vibrador, a existência da dupla isolação, instalações elétricas adequadas à potência do equipamento, cabos protegidos contra choques mecânicos e cortes;

– Inspecionar o escoramento e a resistência das formas, por profissional habilitado, antes de iniciar as atividades de lançamento e vibração de concreto;

– Promover revezamentos frequentes de atividades entre os trabalhadores que transportam o mangote, com os demais trabalhadores envolvidos na tarefa de concretagem;

– Inspecionar as conexões dos dutos transportadores previamente à utilização.v 6. Recortes de parede e revestimento cerâmico

– Realizar os recortes em local aberto, com o vento a favor do trabalhador;

– Priorizar cortes em via úmida para evitar a propagação da poeira;

– Utilizar o riscador para recortes de revestimento cerâmico e/ou equipamento para aspiração de poeira em locais fechados;

– Realizar a operação de recorte das peças com serra mármore ou riscador, apoiada na bancada, visando minimizar a adoção de posturas inadequadas e risco de acidentes.

7. Plataformas

– Instalar plataforma principal de proteção em todo o perímetro, a partir da primeira laje, em edificações com mais de quatro pavimentos;

– Instalar plataformas intermediárias a cada três pavimentos, retirando somente após o fechamento da periferia dos pavimentos;

– Instalar a tela entre as extremidades de duas plataformas de proteção consecutivas, retirando-a somente depois de concluído o fechamento da periferia até a plataforma imediatamente superior;

– Retirar periodicamente o entulho das plataformas;

– Restringir o comprimento do talabarte do cinturão de segurança tipo pára-quedista ao ponto de ancoragem, para não ultrapassar o limite da edificação (periferia);

– Instalar, conforme projeto, dispositivos destinados à ancoragem e sustentação dos andaimes dos cabos de segurança para uso de proteção individual em edificações com altura superior a 12m, a partir do térreo.

8. Andaime Tubular

– Instalar andaimes em montantes apoiados em sapatas sobre solo resistente, com guarda-corpo (1,20m) e rodapé (0,20m), com toda a superfície de trabalho isenta de saliências ou depressões, e com travamento que não permita seu deslocamento ou desencaixe;

– Providenciar a fixação e sustentação dos andaimes somente por profissional legalmente habilitado;

– Montar os andaimes com material antiderrapante, forração completa e nivelada e fixá-los de forma segura e resistente;

– Utilizar o andaime móvel somente em superfícies planas, com travas nos rodízios e somente deslocá-lo sem pessoas ou materiais na plataforma;

– Utilizar o cinturão de segurança, tipo pára-quedista, em altura superior a 2 metros, preso ao trava-queda com cabo de fibra sintética independente.

9. Poço do Elevador:

– Manter as proteções nas aberturas dos poços dos elevadores, mesmo durante a execução das atividades nos vãos;

– Proibir atividades próximas aos halls dos elevadores que possam provocar a queda de materiais nas aberturas dos poços dos elevadores;

– Instalar fechamento provisório em material resistente e seguramente fixado à estrutura nos vãos de acesso ao poço dos elevadores.

10. Serra Circular:

– Instalar coifa protetora com alavanca de regulagem, cutelo divisor, proteção no sistema de transmissão de força e no dispositivo de acionamento;

– Disponibilizar caixa coletora de serragem e sistema de coleta de poeira de madeira;

– O trabalhador deve utilizar dispositivo empurrador para serrar peças de tamanho reduzido, de modo a afastar as mãos do ponto de corte;

– Afixar na carpintaria a relação dos trabalhadores autorizados a operar a serra circular;

– O trabalhador deverá utilizar capacete, protetor facial, protetor auditivo, luvas de raspa, respirador descartável, avental e calçado de segurança.

11. Bate Estaca:

– Manter o pilão no solo quando não estiver em operação;

– Usar cinturão de segurança, tipo pára-quedista, preso ao trava queda em cabo independente, ao posicionar a estaca no capacete do pilão;

– Isolar a área de operação, durante o posicionamento da estaca no capacete;

– Utilizar protetor auditivo, luvas de raspa, bota de borracha ou de couro, vestimenta e, na operação de soldagem dos anéis, usar máscara de solda, avental, luva e mangote de raspa.

12. Levantamento e transporte de cargas:

– No levantamento manual, agachar próximo à carga mantendo a coluna ereta, os pés afastados e a carga próxima ao tronco para que a força seja realizada pelas pernas;

– Usar dois ou mais trabalhadores para transportar cargas com peso superior a 23kg.

13. Transporte de Cargas com Carrinhos Manuais:

– A rampa portátil permite acesso do carrinho de mão à carroceria do caminhão, evitando o transporte manual de carga;

– Os carrinhos para transporte de materiais devem ter rodas adequadas ao piso e sistema de trava a ser utilizado em piso desnivelado. Devem ser mantidos, preventivamente, com engraxe das roldanas e calibração dos pneus.

14. Transporte Mecanizado de Materiais:

– Permitir a operação somente por profissional qualificado;

– Manter a cabina do elevador em boas condições de conservação e com placa com indicação de carga máxima permitida;

– Instalar torres dimensionadas para as cargas previstas, afastadas de redes elétricas ou isoladas, conforme normas da concessionária local;

– Instalar torre e guincho em uma única base de concreto, rígida e nivelada;

– Manter a distância de 4,00m (quatro metros) entre a viga superior da cabina e o topo da torre, após a última parada;

– Providenciar aterramento elétrico da torre e guincho do elevador;

– Revestir as torres de elevadores com tela de arame galvanizado ou material similar;

– Proteger as partes móveis do sistema de transmissão;

– Providenciar sistema de comunicação via rádio, em freqüência diferente das outras operações;

– Fornecer ao operador assento com encosto dorsolombar.

15. Equipamento de Proteção Individual (EPI)

– Utilizar os EPI necessários de acordo com a tarefa a ser realizada;

– Zelar pela sua guarda, limpeza e conservação;

– Solicitar a substituição, quando necessário;

– Atentar que o EPI é de uso exclusivo.

16. Grua:

– A grua deve ser montada, desmontada e mantida somente por profissional qualificado, operações que devem ser supervisionadas por profissional legalmente habilitado. Deve ser operada somente por trabalhador treinado e em boas condições de saúde;

– Deve ter estrutura aterrada, pára-raios a 2,00m acima da parte mais elevada da torre e lâmpada piloto para sinalizar o topo;

– Deve dispor de anemômetro com alarme sonoro. Quando a velocidade do vento for superior à 42Km/h, permitir a operação assistida e quando superior a 72Km/h, proibir a operação;

– Proibir sua operação sob intempéries;

– Elaborar e implementar procedimento para resgate do operador, em caso de mal-estar;

– Disponibilizar ao operador: assento com encosto dorsolombar, garrafa térmica com líquidos resfriados para o consumo e pausas para as necessidades fisiológicas;

– Providenciar sistema de comunicação via rádio, em freqüência exclusiva, entre operador e sinaleiro amarrador;

– Isolar áreas de carga e descarga no raio de ação da grua;

– Verificar diariamente o funcionamento do sistema de fim de curso.

17. Parasitoses Intestinais, como evitá-las:

– Lavar as mãos freqüentemente,principalmente antes e depois de comer, antes e depois de usar o banheiro e após manipular terra;

– Manter as unhas limpas e cortadas;

– Lavar bem frutas e verduras;

– Beber água filtrada e fervida. Não ingerir carne crua ou mal cozida;

– Proteger alimentos contra moscas e outros insetos;

– Ande sempre com os pés calçados.


Herbert Bento
Herbert Bento

O DDS Online foi fundado em 2009 e tornou-se referência no ramo de diálogos de segurança do trabalho. A missão do DDS Online é compartilhar as boas práticas de trabalho para que os brasileiros possam voltar sadios para suas famílias depois de um dia de serviço!