Segurança do Trabalho

Últimos posts em Segurança do Trabalho

Condições básicas para situações de emergência utilizando um barco

21/03/2021 | Herbert Bento

Muitas empresas estão localizadas próximas a um rio e umas das preocupações básicas estão relacionadas com a preservação do meio ambiente.

Hoje todas as empresas estão voltadas a garantir a sustentabilidade e ter a prevenção para situações de emergências e para isso possuem barco para fazer o monitoramento nas margens do rio.

Portanto segue aqui algumas dicas de como realizar este monitoramento com segurança:

1 – O barco deve estar em boas condições de navegação: Não pode estar amassado/batido, não pode apresentar rachaduras em sua estrutura o que possibilita entrada de água (afundamento).

2 – A pessoa que ira pilotar o barco deve ter carteira de habilitação (Arrais) para condutores de barco, aprovada, com validade e autorizada pela Marinha do Brasil, e ainda ter o conhecimento do leito e margens do rio onde fará o monitoramento.

Nota 2: Pessoas que nunca adentraram em um barco não devem participar de atividades náuticas sem antes ter treinamento sobre o assunto (prática náutica).

2.1 – Para os casos de conhecimento do leito de um rio deve considerar:

2.1.1 – Conhecer o leito do rio (seu corredor principal).

2.1.2 – Pontos onde o rio possui poços.

2.1.3 – Pontos onde existem pedras, lajes.

2.1.4 – Pontos onde existem corredeiras, quedas d’água e onde passar.

2.1.5 – Conhecer a profundidade do rio, visando à navegação com segurança.

2.1.6 – Conhecer possíveis pontos onde existam árvores derrubadas.

2.1.7 – Conhecer as margens do rio onde é possível ancorar o barco com segurança.

2.1.8 – Conhecer outros rios, córregos que deságuam neste rio.

2.1.9 – Conhecer a vegetação ao redor e as margens do rio.

Não podemos considerar que para colocar um barco nas margens do rio seja tarefa tão simples.

Para colocar um barco nas margens de um rio é necessário que exista uma carreta que facilita a manobra, porém temos que ter o cuidado de estar descendo com a carreta em local seguro (por exemplo: uma rampa de alvenaria e/ou ainda uma rampa natural sem obstáculos com inclinação máxima de 30 graus).

Quando colocamos o barco sobre as águas do rio muitas vezes não levamos em consideração as regras e os limites existentes entre a natureza e o homem.

Por isso é muito importante o planejamento e a preparação dos materiais necessários para a navegação.

Devemos lembrar sempre de que o barcos não deve ser colocado sobre as águas de um rio, lago, represa, mar em dias onde existe a possibilidade de chuvas ou tempestade, ficando este sobre a espreita de raios, ventos fortes.

O condutor do barco deve estar preparado para as condições dispostas acima visando segurança física e patrimonial, pois qualquer desvio pode ocorrer um acidente inesperado causando um desconforto para todos.

A capacidade máxima de tripulantes para este monitoramento deve ser de 6. O barco adequado para esta atividade deve ser o de 6 metros com borda alta.

O condutor deve conhecer as regras básicas relacionadas com os primeiros socorros.

No barco além de se manter sentado (nunca em pé) os tripulantes devem também se manter estáveis não vindo a fazer manobras físicas no interior do barco (movimentar-se sem autorização ou comunicação), pois qualquer movimento inesperado o piloto do barco pode não ter a sorte de manobrar o barco adequadamente vindo a virar o barco.

Deve ter sempre o cuidado com a estabilidade do barco, pois a má distribuição dos pesos poderá inclinar e pela ação da gravidade virar o barco.

É de extrema necessidade para realizar uma atividade de situação de emergência utilizando que no interior do barco as pessoas estejam utilizando colete salva-vidas (recomendado pela Marinha do Brasil), estejam vestindo roupas leves (dar preferência para shorts e camiseta regata), e no interior do barco estejam disponíveis: 3 remos, extintor de incêndio, bóia circular com 20 metros de retinida e ancora.

Seguindo as orientações e cuidados citados acima podemos nos cercar de segurança.

Com as águas de um rio não podemos brincar, pois todo cuidado é pouco.

***Sempre que praticar alguma atividade náutica, lembre-se que a água faz bem para a saúde interior e exterior para o ser humano, portanto faça com muita consciência e segurança***.

Autor: Andre Mauricio

Segurança em tratores

13/11/2020 | Herbert Bento

Quando pensamos em segurança na operação de tratores, vem na nossa mente a NR-31 porque essas máquinas tem amplo uso no meio rural.

Mas não podemos nos esquecer da NR-12, pois os tratores se enquadram como máquinas autopropelidas.

Tanto que a NR 12 dedica um anexo inteiro para essas máquinas:

“Anexo XI – MÁQUINAS E IMPLEMENTOS PARA USO AGRÍCOLA E FLORESTAL”

ACIDENTES TRATORES

Lembro que este anexo é do tipo 2 segundo a portaria 787, ou seja:

“II. Anexo Tipo 2, considerando o seu campo de aplicação, sobrepõe-se à parte geral de NR.”

Então, qualquer conflito entre o anexo e a parte geral da norma, vai prevalecer o que está escrito no anexo.

São cerca de 15 páginas onde os requisitos de segurança são especificados.

Exemplos:

“5. As máquinas cujo acionamento por pessoas não autorizadas possam oferecer risco à saúde ou integridade física de qualquer pessoa devem possuir sistema ou, no caso de máquinas autopropelidas, chave de ignição, para o bloqueio de seus dispositivos de acionamento.”

“6.7 O eixo cardã deve possuir proteção adequada, em perfeito estado de conservação em toda a sua extensão, fixada na tomada de força da máquina desde a cruzeta até o acoplamento do implemento ou equipamento.”

“9. As máquinas autopropelidas devem possuir Estrutura de Proteção na Capotagem – EPC e cinto de segurança, …”

Os requisitos de segurança destas máquinas visam evitar os acidentes que podem ocorrer.

Como os que foram ilustrados na imagem que acompanha esse post.

Vale a pena dar uma olhada também no glossário da NR-12, que traz a definição e desenhos de tipos de tratores e seus implementos.

Gostou deste Conteúdo SST?

Quer mais conteúdo para profissionais SST?

Então confira os links abaixo:

Isenção de PGRTR, Existe isso?

Declaração de inexistência de riscos

Documentos de segurança do trabalho obrigatórios

EPI X Mudanças de função

06/11/2020 | Herbert Bento

O post de hoje foi inspirado no colega Fabio que me perguntou sobre registro de entrega de EPI frente a uma situação de mudança de função.

Vejamos o que diz nossa amiga NR-06

“6.3 A empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, EPI adequado ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento…

EQUIPAMENTOS DE PRETECAO INDIVIDUAL

Então, havendo mudança de função, podem haver riscos diferentes.

Então, o procedimento interno da empresa deve prever a verificação junto ao Profissional SST sempre que houver mudança de função.

O Profissional SST deverá verificar quais EPI devem ser usados na nova função.

Se a empresa for bem organizada, já terá pronta uma lista de EPI por função.

Então é só verificar os EPI obrigatórios na nova função, e fazer a adequação conforme o caso.

Aproveite para verificar se os EPI estão na validade e seu estado de conservação.

Havendo necessidade de adicionar algum EPI na nova função (por exemplo, se o óculos de segurança passa a ser exigido), então deve-se fazer o devido registro de entrega.

Afinal…

“6.6.1 Cabe ao empregador quanto ao EPI:”

“h) registrar o seu fornecimento ao trabalhador, podendo ser adotados livros, fichas ou sistema eletrônico. “

E você?

Na empresa onde trabalha ou presta serviço, as mudanças de função fazer um “pit-stop” na área SST ou “passa batido”?

Pense nisso!

Tenha um ESPLÊNDIDO FDS!

Perigos em máquinas e suas consequências

29/10/2020 | Herbert Bento

Identificar perigos em máquinas é uma das etapas do processo de apreciação e redução de riscos. Todo Profissional SST sabe que quando falamos de segurança em máquinas, a NR 12 entra em campo.

A imagem que ilustra esta postagem mostra 6 exemplos de perigos e suas consequências.

28 10 PERIGOS EM MAQUINAS 2

Para reduzir os riscos, a NR 12 nos apresenta diversas medidas, entre elas os sistemas de segurança. As zonas de perigo das máquinas devem possuir sistemas de segurança: proteções fixas, proteções móveis e dispositivos de segurança interligados.

Mas a NR 12 não para por aí. 

Ela nos mostra também a importância da capacitação dos trabalhadores. Os trabalhadores envolvidos na operação, manutenção e inspeção de máquinas devem receber capacitação de acordo com suas funções. Tal capacitação deve abordar os riscos e as medidas de proteção existentes e necessárias para a prevenção de acidentes e doenças.

Minhas postagens tem o objetivo de ajudar o Profissional SST.

Sendo assim, minha dica de hoje é que você agregue conhecimentos da NR 12. Porque existe uma boa demanda por treinamentos nesse segmento.

Uma dica extra para os destemidos: 

Para ficar fera nesse tema, experimente conhecer também a ABNT NBR 12.100 (Segurança de máquinas – princípios gerais de projeto – apreciação e redução de riscos). Os exemplos de perigos e consequências que ilustram esse post foram retirados de lá, onde você encontrará também vários outros exemplos.

Pense nisso!

Será que você sabe fazer o PGR? 

Esse conhecimento já está sendo exigido no mercado!

Então aprenda com as minhas vídeo aulas passo a passo!

E aproveite para “dar um up” na sua biblioteca de documentos.

Clique no link abaixo para conhecer:

https://escoladaprevencao.com/especialista-gro-pgr-em/

Abandono de área

24/09/2020 | Herbert Bento

Nesse DDS vamos falar sobre recomendações sobre abandono de área.

O novo texto da NR 1 tornou o Gerenciamento de Riscos Ocupacionais (GRO) obrigatório para quase todas as empresas.

Um dos requisitos do GRO é a elaboração de um Plano de Resposta a Emergências (PRE).

A norma ABNT NBR 15219 é uma boa referência para o conteúdo do PRE.

Por exemplo, tal norma sugere que deve constar no PRE “procedimentos básicos de emergência”.

E um desses procedimentos é informar a população da empresa (trabalhadores diretos e indiretos, clientes e parceiros em visita às instalações, etc) sobre instruções básicas do que fazer em caso da necessidade de evacuar a fábrica ou edificações.

Vejamos algumas dessas recomendações:

1) acatar as orientações dos brigadistas

2) caminhar em ordem e sem atropelos

3) manter silêncio

4) não voltar para apanhar objetos

5) levar junto os visitantes que estejam no local

6) encaminhar-se ao ponto de encontro

7) não usar o elevador, a menos que seja recomendado pelo brigadista

8) deixar a rua e as entradas dos prédios livres

9) havendo pessoas em pânico, procure acalmá-las

Para mais informações, consulte a NBR mencionada.

Gostou desse DDS sobre abandono de área?

Então veja também:

Como agir diante de um incêndio

Abraço!

Herbert Bento da Escola da Prevenção

Imagem bônus

Clique com o botão direito sobre a imagem abaixo e salve-a no seu computador ou celular, depois compartilhe a vontade.

abandono de áreaRecomendações para abandono de área

Inspeção de máquinas

15/09/2020 | Herbert Bento

A inspeção de máquinas, antes do início do turno do operador, é parte essencial para a operação segura.

Não é a toa que a NR 12 diz: 

“12.14.2 Ao início de cada turno de trabalho ou após nova preparação da máquina ou equipamento, o operador deve efetuar inspeção rotineira das condições de operacionalidade e segurança e, se constatadas anormalidades que afetem a segurança, as atividades devem ser interrompidas, com a comunicação ao superior hierárquico.”

A inspeção é obrigação do operador, ele deve fazer como está escrito na norma.

E agora surge uma dúvida muito comum: “ok, mas quais os itens devem ser checados?”

A resposta é mais simples do que parece: olhe o manual de operação da máquina.

Lá estarão discriminados quais são os itens que devem ser inspecionados.

E, caso a inspeção indique qualquer anormalidade que afete a segurança, então, as atividades do turno não devem ser iniciadas.

O procedimento a seguir, no caso de anormalidades, é comunicar ao superior hierárquico, ou seja, o chefe, gerente, supervisor, coordenador, etc.

Detalhe: se a máquina for reparada, então, antes do início dos trabalhos, deve ser feita nova inspeção.

Na empresa onde você presta serviço, as inspeções de máquinas estão sendo realizadas conforme NR 12?

Abraço!

Herbert Bento da Escola da Prevenção

Imagem bônus sobre inspeção

Clique com o botão direito do mouse sobre a imagem abaixo para salvar no seu computador. Compartilhe a vontade.

Inspecao Previa

Leia outros DDS:

Betoneira

Nitrato de amônio

Paradas para Manutenção: como garantir a segurança ?

09/09/2020 | Herbert Bento

Você já parou para entender como as empresas realizam a preservação de suas máquinas e equipamentos? Certamente este é um dos fatores essenciais dentro de uma empresa.

A finalidade de uma parada é realizar a inspeção e manutenção indicada pelo fabricante do maquinário. A manutenção pode ser preventiva, preditiva ou corretiva. Nas paradas são executados procedimentos como lubrificação, reparos ou até mesmo troca das peças.

O tempo para execução varia conforme o tamanho da unidade e o tipo de manutenção a ser feita, com isso o planejamento torna-se imprescindível.

Se a manutenção for realizada por colaboradores externos, o número de pessoas na produção pode até mesmo dobrar neste período.

Uma parada para manutenção não é uma atividade que ocorre diariamente. Quando não realizamos atividades que não faz parte da rotina diária o risco de acidente é maior, sendo assim, é necessário dar ênfase em medidas que visam à proteção e segurança dos colaboradores.

Abaixo, são consideradas medidas de proteção, sendo que devem ser adotadas nessa ordem de prioridade:

1°) medidas de proteção coletiva (EPC – Equipamentos de Proteção Coletiva);

2°) medidas administrativas ou de organização do trabalho (uso de sinalização/alertas ou controles administrativos);

3°) medidas de proteção individual (EPI´s – Equipamento de Proteção Individual).

OS 12 MANDAMENTOS PARA UMA PARADA DE MANUTENÇÃO EFICIENTE E SEGURA:

1°) Reunir os Lideres, Manutencistas e o SESMT – Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho para planejar o procedimento prevenindo os riscos;

2°) Esclareça todas as suas dúvidas antes, em caso de incerteza pare a atividade e solicite uma nova avaliação;

3°) Pôr em prática a APR – Análise Preliminar de Riscos;

4°) Certifique-se que o acionamento ou desligamento não poderá ocorrer de forma involuntária pelo operador ou por qualquer outra forma acidental;

5°) Usar todos os EPI´s – Equipamentos de Proteção Individual indicados;

6°) Não desrespeitar as ordens da atividade, caso contrário aumentará os riscos;

7°) Seja previsível, não improvise;

8°) Mantenha o local organizado para o bom andamento e segurança das atividades;

9°) Comunique-se, o diálogo é essencial à segurança;

10°) Priorize uma parada geral, pois uma parada de unidade envolve maiores riscos visto que as demais áreas continuam a funcionar;

11°) Não faça engenharias alternativas também conhecidas como “gambiarras”, esta é uma das principais causas de acidentes;

12°) Não querer ser um super herói, realize o trabalho dentro dos seus limites.

Gostaria de salientar que as ações realizadas no trabalho vêm do trabalhador, por isso é importante que os trabalhadores façam sua segurança no trabalho e atendam as recomendações do SESMT – Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, independentemente do trabalho a ser executado.

le

FORMACÃO ACADÊMICA: Técnico de Segurança do Trabalho, Bacharel em Administração e Técnico em Administração.

CURSOS EXTRACURRICULARES: Auditoria interna ISO 14001, Auditoria Interna OHSAS 18001, NR 10 – Segurança em Instalações e Serviço em Eletricidades, Brigada de Incêndio e Operador de Empilhadeira.

IMAGEM BÔNUS

Clique sobre o botão direito na imagem abaixo e salve-a no seu computador. Compartilhe a vontade.

NAO FACA REPAROS NA MAQUINA EM OPERACAO

Nitrato de amônio

06/08/2020 | Herbert Bento

No dia 04/08/2020, uma explosão de proporções gigantescas aconteceu em Beirute, capital do Líbano. Inicialmente, achava-se que fogos de artifícios teriam sido responsáveis pela explosão, mas logo foi notado, pela proporção e pela coloração da fumaça (vermelha ou laranja), que se tratava de um composto armazenado no porto, o Nitrato de Amônio.

Trata-se de um composto químico, cuja fórmula é NH4NO3., muito utilizado na composição de fertilizantes. Ele sozinho e em condições ambientais não é um composto tão perigoso, tem a aparência em pó branco ou grânulos e é solúvel em água.

Perigo do nitrato de amônio

O problema é quando a substância é aquecida. E não é qualquer aquecimento, mas temperaturas acima de 200º C é o suficiente para começar a agir , e se a temperatura se eleva para 290º C, o risco de explosão é elevado.

Por isso, lugares que tenham o composto armazenado, precisam seguir minuciosas regras de armazenamento. Faíscas, fios soltos, pequenos incêndios e até mesmo relâmpagos, são capazes de despertar o lado explosivo do Nitrato de Amônio, esse efeito pode ser ainda mais perigoso se estiver perto de outros compostos químicos fáceis de explodir. 

Ainda não se sabe ao certo o que ocorreu em Beirute, mas o mais provável é que alguma coisa tenha pegado fogo inicialmente, e isso tenha servido de gatilho para superaquecer a substância, que não estava armazenada de maneira correta e segura, e que resultou em mais de 100 mortos e milhares de pessoas feridas, causando destruição no porto, em carros e casas que ficavam à quilômetros de distância.

Histórico de acidentes

Vale ressaltar que outras situações assim já ocorreram no passado, não é a primeira vez.

No Brasil, no dia 25 de setembro de 2013, uma explosão aconteceu em um depósito de fertilizantes onde havia Nitrato de Amônio, no terminal Marítimo de São Francisco do Sul, vizinho de Florianópolis. Todas as casas próximas do local precisaram ser deixadas.

Um dos maiores acidentes com o Nitrato de Amônio ocorreu no estado americano do Texas, em 1947. Um incêndio atingiu o navio SS Grandcamp acarretando a explosão de 2,3 mil toneladas de Nitrato de Amônio. Com isso, diversos navios vizinhos foram tomados pela explosão, causando a morte de mais de 580 pessoas.

Segundo especialistas, para que o Nitrato de Amônio seja armazenado de forma segura, ele deve ser armazenado em containers totalmente fechados, sem fissuras ou aberturas, impedindo de outras substâncias ou até mesmo o ar entre em contato.

Também, o local escolhido para armazenar o container deve ser seguro, longe de possíveis fontes de calor ou fogo. sem falar que devem estar de prontidão equipes e equipamentos para combater quaisquer princípio de incendio. Além disso, instalações desse tipo devem dispor de Plano de Ação de Emergencia.

Muitos profissionais da SST negligenciam a importância de se conhecer a reativade das substancias quimicas, muitas vezes é um assunto deixado de lado, mas saiba que muitas empresas demandam esse conhecimento dos profissionais que lá pretendem trabalhar.

Então é sempre bom pesquisar o processo produtivo da empresa antes de comparecer para uma entrevista ou procurar fazer negócios.

Vídeo bônus

Leia também:

Cuidados ao manusear, transportar e armazenar produtos químicos

Segurança do trabalho é chato?

07/07/2020 | Herbert Bento

O tema desse DDS é “segurança do trabalho é chato”!

Se os trabalhadores andam dizendo que segurança do trabalho é chato, então é preciso melhorar a atuação do SESMT, para que seja mais perceptível as vantagens.

Em algumas empresas, especialmente aquelas que seguem as normas de segurança do trabalho, muita gente pensa que os profissionais mais chatos que existem são o “Técnico de Segurança do Trabalho” ou o “Engenheiro de Segurança do Trabalho”. 

Entretanto, precisamos sempre lembre que esses profissionais e todos os outros ligados a Segurança do Trabalho estão tentando fazer o bem.

Veja alguns benefícios que área traz:

  • Evitar que o funcionário ou prestador de serviços venha a se machucar.
  • Evitar acidentes que danifiquem ferramentas de trabalho.
  • Evitar que se danifiquem os produtos fabricados pela empresa.
  • Evitar que o funcionário machuque terceiros.

Vejamos os inconvenientes causados por acidentes

a) O funcionário é afastado e deixa de produzir.

b) O funcionário tem que ser substituído por outro que muitas vezes não tem experiência, precisa ser treinamento e ainda produz menos.

c) Queda no ritmo de produção dos outros trabalhadores.

d) Custos para o INSS.

e) Dano social e psicológico para o acidentado e sua família.

É comum ver alguns trabalhadores reclamaram da área de segurança do trabalho, mas quando acontece um acidente essas mesmas pessoas chegam à conclusão que se tivessem seguido as orientações de segurança provavelmente não teria ocorrido o acidente.

Para se evitar acidentes é imprescindível que além da utilização correta de EPI (Equipamento de Proteção Individual) e EPC (Equipamento de Proteção Coletiva), estes equipamentos estejam em bom estado, limpos e dentro de suas especificações.

Lembre-se sempre que, uma máquina nós podemos consertar, uma ferramenta nós podemos comprar quanta forem necessárias, mas a nossa vida, nossa integridade física e nossa saúde são únicas e muitas vezes, um simples descuido pode trazer danos irreversíveis.

Antes de reclamar dos profissionais de segurança do trabalho, avalie a situação e pense bem se não faz sentido a orientação, afinal de contas, se você se acidentar o maior prejudicado é você mesmo.

Inteligência, prudência e bom senso nunca são demais.

Agora reflita, o que é melhor, o acidente ou seguir as normas da Segurança do Trabalho?

Imagem bônus

Clique com o botão direito do mouse sobre a imagem abaixo, salve no seu PC e compartilhe.

segurança do trabalho é chato

Leia também:

DDS do rato (contos)

Fonte de inspiração:

http://turma15senai.blogspot.com/2009/03/os-chatos.html

Segurança em Máquinas e Equipamentos

21/06/2020 | Herbert Bento

Para quem é da área de segurança, quando falamos em máquinas e equipamentos, já pensamos logo na Norma Regulamentadora 12 (NR-12).

Neste DDS vamos falar um pouco de como trabalhar seguro com máquinas e equipamentos.

Apesar da norma ser bem abrangente, envolvendo o uso, transporte, fabricação, comercialização e etc. Vamos nos focar apenas na segurança envolvida.

Apesar da norma ser bem abrangente, envolvendo o uso, transporte, fabricação, comercialização, etc, vamos aqui focar apenas na segurança envolvida.

É dever do empregador adotar medidas de proteção para o trabalho com máquinas e equipamentos.

Sendo a prioridade de adoção ser: medidas de proteção coletivas, medidas administrativas e os EPIs, nessa ordem.

Mas quais os deveres do trabalhador?

É dever do trabalhador cumprir as orientações e procedimentos relativos ao uso das máquinas e equipamentos.

O trabalhador deve também, sempre que uma proteção ou dispositivo de segurança for removido, danificado ou perder a função, este deverá comunicar de imediato ao seu superior.

Devem também receber treinamentos para atender as exigências da norma (NR-12).

É regra: as máquinas e equipamentos devem possuir sistemas de segurança, caracterizados por proteções fixas, móveis e dispositivos interligados.

Os sistemas de segurança devem exigir rearme (“reset”) manual, após a correção da falha ou situação anormal de trabalho que provocou a paralisação da máquina.

Vamos falar um pouco de um dos riscos mecânicos ao qual o trabalhador está exposto: pontos de agarramento ou entrantes.

Esses pontos podem agarrar, puxar e causar ferimentos graves ou fatais, bem como amputação por exemplo.

Vamos falar um pouco dos tipos, alguns deles, de agarramento:

·   Entre duas engrenagens, cilindros ou equipamentos que fazem movimentos circulares;

·   Entre uma correia ou corrente e a respectiva polia;

·   Entre a parte girante (serra) e uma fixa (no caso do esmeril, por exemplo)

·   Tornos;

·   Entre uma parte que gira e um item em processo.

Vamos então nos prevenir?

·   Todos os equipamentos devem seguir a norma regulamentadora 12, atendendo suas exigências, bem como o profissional ser treinado para o manuseio;

·   A sinalização deve ser visível;

·   Quando a máquina estiver em manutenção ou operando, mantenha as mãos afastadas, e mesmo estando parado faça o travamento e bloqueio do equipamento;

·   Cuidado com suas vestimentas, pois uma roupa folgada pode levar a um acidente;

·   Da mesma forma, cuidado com cabelos, anéis, cadarços e outros adereços;

·   Antes de iniciar qualquer trabalho em qualquer equipamento, conheça-o, busque analisar os pontos de agarramento e de possíveis acidentes;

·   Nunca remova uma proteção da máquina ou coloque suas mãos em lugares não permitidos;

·   Sempre faça uma comunicação ao seu superior caso haja qualquer não conformidade.

Use essas dicas a seu favor, e mantenha você e seus colegas seguros sempre que for trabalhar com máquinas e equipamentos.

Até o próximo DDS!

Imagem bônus

Clique com o botão direito do mouse sobre a imagem abaixo para salvá-la no seu computador. Compartilhe a vontade.

máquinas e equipamentos dds

Para aprender mais, recomendo o Blog da Escola da Prevenção.

Veja também

Inventário de máquinas

Normas Regulamentadoras Atualizadas

Documentos de segurança do trabalho obrigatórios

Sua família pede: use EPI sempre!

01/06/2020 | Herbert Bento

(esse DDS tem vídeo bônus no final)

Ao sair de casa, nós como profissionais que temos responsabilidades, nos tornamos porta voz de quem espera nossa volta.

Para que isso aconteça é preciso muita responsabilidade no que se faz.

É preciso deixar os problemas e as preocupações fora da empresa.

É preciso se importar somente com aquilo que nos trará de volta ao aconchego da familia.

Executar a atividade com cuidado, respeitando os limites, as normas de segurança e usando os equipamentos de proteção individual, como:

  1. Luva – protegendo suas mãos para acariciar o rosto da pessoa amada
  2. Óculos de Segurança – Protegendo o bem mais valioso para enxergar as bençãos da VIDA
  3. Calçados de Segurança – Saberemos que voltaremos com os pés no Chão.

Dica: clique com o botão direito do mouse sobre a imagem abaixo, salve no seu computador e depois compartilhe com seus colegas.

Sua família pede: use EPI sempre

Trabalhando com atenção e sabedoria sabemos que iremos poder beijar o rosto dos filhos e das pessoas que amamos!!!

Fazendo e cumprindo as determinações sabemos que a volta pra casa vai ser tão boa quanto a vinda para o trabalho.

Para que tudo isso aconteça, é fundamental o uso do EPI, ou seja, o Equipamento de Proteção Individual.

Hoje no mercado existem inúmeros equipamentos destinados a proteção do trabalhador, cada um com sua função, mas temos que nos atentar a algumas informações necessárias para o uso do mesmo.

Será que o equipamento que estou utilizado é realmente o certo para essa atividade?

Será que está me dando a devida proteção?

É importante que o colaborador participe das definições de escolha e de sugestões para empresa fornecer o EPI.

O EPI deve ser adequado a sua atividade e lhe proteger adequadamente, para isso, trabalhe em conjunto com os responsáveis do setor de segurança e observe o que de melhor pode ser feito pela sua segurança.

Trabalhando assim teremos a certeza que a segurança será de melhor qualidade e a produção nunca será interrompida por um acidente.

O importande da vida é ser bem mais daquilo que podemos ser, é sonhar, é correr atraz dos objetivos e ser e ter o que queremos, é avaliar a situações e entrar nelas de forma segura.

Antes de começar sua atividade avalie sua condição fisica e psicológica, avalie o seu BEM ESTAR, sua condição de trabalho e veja o que de melhor poderá fazer.

Saber se instalar no seu ambiente, analisar seus riscos, comunicar aos colegas que sua atividade é de risco e tomar os devidos cuidados ao se aproximar é importantissímo para evitar futuras surpresas desagradavéis.

Mantenha o seu local de trabalho sempre organizado, limpo, livre de obstáculos.

Faça dele seu melhor ambiente, isso lhe fará um funcionário de destaque e com certeza muitos irão seguir seu exemplo.

Com isso o reconhecimento irá aparecer e com certeza aquele tão esperado sonho poderá se realizar.

Tenham todos um bom dia de trabalho.

(Esse tema de DDS foi gentilmente cedido pela nossa leitora Patricia A.)

Para complementar esse DDS, recomendamos o vídeo Minuto SST abaixo:

Fundado em novembro de 2008, o DDS Online contribui para a área de Segurança e Saúde Ocupacional através da divulgação de temas para DDS e cursos online.

Nos siga

© 2022 Escola da Prevenção - Herbert B Faria Treinamentos CNPJ 18.768.540/0001-85 Todos os direitos reservados.